O xilitol é um adoçante naturalmente encontrado em alguns vegetais, cogumelos e frutas, como ameixas e frutas vermelhas. Industrialmente, é produzido a partir da fermentação de matérias-primas como bagaço de cana ou madeira de eucalipto, por leveduras que convertem xilose em xilitol.

Um dos principais benefícios do xilitol é seu efeito na prevenção e tratamento de cáries dentárias, prevenindo também o surgimento de câncer bucal consequente do aparecimento de cáries. Além disso, o xilitol tem se mostrado benéfico em prevenir otite aguda, devido à inibição do crescimento de bactérias causadoras de infecções de ouvido. Infecções de vias respiratórias e processos inflamatórios crônicos, como rinite e sinusite, também parecem ser controlados com o uso de xilitol, o qual demonstra efeito positivo na modulação do sistema imune. Todos esses efeitos benéficos podem ser associados à melhora do perfil da microbiota intestinal, proporcionada pela ingestão do xilitol.

O xilitol possui sabor doce comparável ao do açúcar, mas com 40% menos calorias. Além disso, possui índice glicêmico muito baixo, e não depende de insulina para ser metabolizado. Por isso, diversos estudos mostraram benefícios no uso de xilitol para controle de glicemia, níveis de insulina, tolerância a glicose e perfil lipídico em diabéticos.

Além disso, seu consumo retarda o esvaziamento gástrico, promovendo maior saciedade e, consequentemente, reduzindo o consumo alimentar. Tem efeito, ainda, acelerando o trânsito gastrointestinal, podendo ser usado como adjuvante no tratamento de constipação.

Outro efeito do xilitol demonstrado em estudos é a prevenção de osteoporose, devido ao aumento de absorção de cálcio intestinal proporcionado pelo seu consumo, além da influência positiva no metabolismo de daidzeína, um fitoquímico que tem efeito benéfico na saúde óssea.

O xilitol pode ser usado em diversas preparações doces, com o cuidado de não exagerar na quantidade diária ingerida, pois doses excessivas podem causar desconforto gastrointestinal, devido a sua digestão parcial e consequente fermentação por bactérias no intestino. Doses de 20-30g por dia parecem não causar nenhum tipo de desconforto, e estudos de longo prazo (superiores a 2 anos) que analisaram o consumo de xilitol não demonstraram efeitos prejudiciais à saúde. No entanto, pessoas sensíveis podem apresentar efeitos adversos ao seu consumo, e sua ingestão deve ser sempre acompanhada de uma alimentação equilibrada, de acordo com as orientações de um nutricionista!